DIAGNÓSTICO: montagem em articulador

DIAGNÓSTICO: montagem em articulador

Cada vez mais o motivo das primeira consulta de Ortodontia é a patologia articular, dupla mordida, ou de um simples desconforto quando se abre ou fecha a boca.

Este tema já foi falado em outro post do Blog,  mas senti novamente a necessidade de o fazer, não só para o explicar de novo, mas também devido ao grande aumento de casos clínicos sobre esta matéria.

Relembro que o essencial num tratamento ortodôntico, não é colocar um aparelho, de qualquer tipo que ele seja, mas o de realizar um TRATAMENTO!!! Para tal há que  diagnosticar bem o caso, para que um aparelho ou outros dispositivos nos ajudem a chegar a um tratamento de sucesso, fazendo o paciente e o médico felizes.

Assim, quando um paciente possui algum tipo de patologia articular, o correto NÃO é colocar imediatamente um aparelho, pois este até pode piorar a situação! 

Porquê? Porque, tal como na construção de uma  casa, esta tem que começar pelos alicerces. Do mesmo modo, um correto planeamento ortodôntico tem que começar por uma boa posição do côndilo na articulação temporo-mandibular. Como  sabermos a posição correta do côndilo? Para o sabermos há que montar o caso num articulador. Só assim sabemos a correta mordida do paciente e não uma posição viciada e errónea. Mais tarde, em muitos casos há que usar-se uma goteira específica durante uns meses e só depois reagnosticar, pois certamente o modo de morder não será o mesmo. Assim, obtemos um tratamento com a posição condilar correta e o paciente não apresentará patologia articular. Depois sim, é o momento para colocar os dentes na sua posição com um aparelho dentário conjugado ou não com outros dispositivos. 

O que se vê mais em clínica, são pacientes, muitos deles que já realizaram tratamento ortodôntico, mas que continuam ou pioraram os seus sintomas articulares, provocando problemas de instabilidade oclusal e funcional.  Porquê? Porque esses casos, começaram pelo telhado e não pelos alicerces!!!!! A colocação de aparelhos de forma rápida e repentina, geralmente não trás boas noticias para os pacientes!