“Coloquei um aparelho dentário... e os dentes mexeram.”

“Coloquei um aparelho dentário... e os dentes mexeram.”

O tempo médio de um tratamento ortodôntico é de aproximadamente 24 meses. Neste período, existe um trabalho realizado pelo médico especialista em Ortodontia coadjuvado pela colaboração do paciente para que os objetivos traçados de um sorriso e oclusão ideais sejam atingidos. Esses anseios não terminam com o fim do tratamento. O sucesso dessa intervenção apenas será assim considerado se perdurar no tempo. São muitos os testemunhos de pacientes que usaram “aparelho” e sentem que houve movimentos indesejados dos dentes. Por que razão isso acontece?

Em primeiro lugar, devemos saber que os dentes fisiologicamente estão envolvidos por fibras de colagénio que possuem uma certa memória elástica. Isto não significa que, após um tratamento ortodôntico, os dentes voltem à sua posição inicial. Todavia, os pequenos movimentos pós tratamento já não são bem aceites por parte do médico e, principalmente, pelo paciente.Outro motivo que devemos aqui sublinhar é a não prescrição pelo médico ou o uso indevido pelo paciente das chamadas contenções ortodônticas.

Tal como o próprio nome indica, as contenções ortodônticas são dispositivos que se colocam no final do tratamento, que contêm os movimentos realizados no tratamento.

Para evitar essas deslocações indesejadas, existem dois aspetos fundamentais a reter: o diagnóstico ortodôntico e a colaboração dos pacientes. Para existir uma boa estabilidade do caso e uma oclusão estática e dinâmica adequada, é imprescindível efetuar um diagnóstico preciso. Daí a importância de recorrer a um Especialista em ortodontia, certificado pela Ordem dos Médicos Dentistas. Falemos agora do envolvimento dos pacientes. As contenções fixas e removíveis devem perdurar ao longo da vida. Se tal não acontecer, existe a possibilidade de os dentes se movimentarem. Por isso, um tratamento ortodôntico não pode terminar na consulta de remoção do aparelho, mas deve continuar em consultas de controlo das contenções ortodônticas para que, se algo de anormal surgir, as repercussões não sejam graves. 

Em resumo, a falta de colaboração do paciente, a realização de diagnósticos e planos de tratamento incorretos e a ausência de consultas de controlo são as principais causas para as recidivas nos tratamentos ortodônticos. Frequentemente isso obriga, passado algum tempo, a um novo tratamento ortodôntico...